Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Zine de Pão

Caderno de notas sobre farinhas, leveduras e temperaturas

Zine de Pão

Caderno de notas sobre farinhas, leveduras e temperaturas

27.Fev.15

Adeus primeiro emprego como padeiro

"Será que o tipo da Zine de Pão caíu dentro da amassadeira? Há que séculos que não escreve nada. Ainda por cima, logo depois de ter largado aquela bomba que ia ser padeiro e não sei quê."

 

Não caí dentro da amassadeira, mas quase. Os últimos meses têm sido atribulados, com alguns dias de trabalho muito longos (16 horas) e, infelizmente, alguns problemas no ambiente de trabalho. Toda a gente me dizia que é normal quando se começa num sítio novo, as rotinas são novas (ou não existem de todo), os equipamentos são todos novos (é preciso aprender os caprichos deste e daquele) e as receitas são todas novas. Quem me segue no instagram (@takemybreadaway , aviso à tripulação: escrevo muita coisa em sueco, portanto ás vezes não dá para perceber tudo), tem seguido mais ou menos esta viagem através de fotografias. Quem me tem seguido por lá, também reparou que em Fevereiro a coisa toda culminou em desastre.

 

Fiquei sem o meu emprego como padeiro no início de Fevereiro e aprendi uma valente lição do quão este ramo pode ser duro. Infelizmente, os donos da padaria onde trabalhava não estavam a ter o retorno esperado e por isso não era sustentável manter o meu salário e a minha posição como padeiro. Depois de tanto trabalho, de tanto sofrimento, lágrimas, suor e ás vezes sangue (as facas de pão da Victorinox são muito afiadas), recebia em início de Fevereiro esta notícia. Notícia recebida com sentimentos mistos, por um lado de alívio (o ambiente e as relações no trabalho estavam a tornar-se insuportáveis) e por outro lado um sentimento de pânico - o que fazer? Não tenho como plano voltar tão cedo para a minha profissão habitual. Pois apesar de terem sido quatro meses de trabalho intenso adorei tudo o que fiz, desde biscoitos até a croissants, e continuo a ter um sentimento ardente de paixão por esta profissão, esta forma de artesanato.

 

Concorri a empregos de padaria em quase tudo o que é sítio, fazendo sempre figas para que desta vez me levassem a sério dado já ter alguma experiência na área. Um dos sítios que tinha concorrido foi à Bageri Petrus. Para resumir uma história longa, consegui emprego nesta padaria e não poderia estar mais contente. Para mim sempre foi um dos sítios de sonho para trabalhar. Um grupo de padeiros jovens, como eu (ou não, sou o mais velho da equipa), que são movidos por uma paixão e garra enorme por esta profissão. A vantagem de ser uma equipa jovem é não estarmos presos a 'standards', perguntamo-nos sempre "Há outra maneira de fazer isto? Há alguma maneira de melhorar este produto?", e estamos sempre a pressionar-nos para ser melhor. Gosto desta maneira de pensar, uma maneira de pensar inovativa e creativa. Todos estes factores irão ajudar a desenvolver o meu (ainda pouco) conhecimento sobre a área da panificação, melhorar as minhas rotinas e especialmente aumentar a minha rapidez de trabalho.

 

A viagem continua. Não sei onde me vai levar mas estou contente de ter tão bons colegas ao meu lado que eu sei que me irão ajudar até ao destino final.

 

P.S: Não sei se ouviram dizer mas a Mercearia Creativa, onde eu realizei a minha oficina de pão há quase um século atrás, vai realizar uma workshop de pão com o Chef Rui Matias no dia 7 de Março. Não sei o conteúdo da dita cuja mas se é sobre pão há que aproveitar!

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.